Notícias: Comissão discutiu a contribuição dos biocombustíveis no cumprimento das NDCs brasileiras

Resumo

Rodrigo Lima, diretor geral da Agroicone e integrante da plataforma CLIMA, foi um representantes do setor empresarial a participar do debate

Em 8 de novembro, em Brasília, foi realizada a audiência pública pela Comissão Mista de Mudanças Climáticas sobre “A contribuição dos Biocombustíveis no cumprimento das metas brasileiras estabelecidas na iNDC”, com a participação de Rodrigo Lima, diretor geral da Agroicone e integrante da plataforma Clima, para debater a influência dos biocombustíveis no cumprimento das metas brasileiras estabelecidas no Acordo de Paris.

Ratificado no último mês de outubro pelo Brasil, o Acordo de Paris é um tratado internacional que visa reduzir as emissões de gases de efeito estufa e conter o aumento da temperatura média global. O Brasil tem um papel fundamental neste cenário, comprometeu-se a reduzir em 37% suas emissões de gases de efeito estufa até 2025, em relação ao montante registrado em 2005, e em 43% até 2030. Ações nos setores de uso da terra, energias renováveis e agricultura de baixo carbono compõem os elementos centrais Das contribuições brasileiras.

O debate foi sobre o papel dos biocombustíveis desde o investimento na pesquisa, passando pelas usinas, fontes de matérias-primas, exportações e importações até as questões relacionadas à saúde pública.

“Nos próximos dois anos (2017 e 2018), serão necessárias negociações internas para estruturar a nova política de clima – a política brasileira de mudanças climáticas é um começo – e também políticas setoriais, como estabelecer as regras para que as NDCs aconteçam. O Brasil não está mais na fase de compromissos voluntários, agora temos uma meta absoluta de reduções de emissões e, para isso, precisamos ter uma política robusta, com mecanismos para monitorar, reportar e verificar as NDCs e criar mercado de carbono brasileiro alinhado com o que será negociado no Acordo de Paris e políticas de incentivos estruturantes de longo prazo”, afirmou Rodrigo Lima em sua apresentação.

A audiência completa pode ser assistida em: https://www.youtube.com/watch?v=Vbz_nM_TCjQ

Outras informações sobre a COP22

Em Marrocos, na COP22, o governo federal lançou um mecanismo para promover o uso de biocombustíveis no Brasil e no mercado internacional. A Plataforma para o Biofuturo terá o papel de promover o uso dos biocombustíveis para cortar as emissões de gases do efeito estufa na área de transporte e, com isso, conter o aquecimento global. Além disso, mostrará iniciativas brasileiras como o desenvolvimento de biocombustíveis de segundo geração produzidos em território nacional. Para mais informações, acesse www.biofutureplatform.org.

Foto: Roque de Sá/Agência Senado (CC BY 2.0)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *